Governo acelera o ritmo das obras de duplicação da Rua Yamada/Rodovia Tapanã

12/09/2019 11h48 - Atualizada em 12/09/2019 12h57
Por Michelle Daniel (NGTM)

Entrada da Rua da Yamada pela Avenida CentenárioCerca de 500 mil pessoas serão beneficiadas, direta ou indiretamente, com as obras de duplicação da Rua Yamada/Rodovia Tapanã, em Belém, retomadas este ano pelo Governo do Pará. A via é um dos principais corredores de trânsito da capital e que faz ligação com outras avenidas importantes, como a Centenário, a Augusto Montenegro e a Arthur Bernardes. A obra, que tem previsão para ser concluída no primeiro semestre de 2020, tem 41% de andamento e são executadas pelo Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM).

O projeto prevê a duplicação da via, pavimentação asfáltica, drenagem profunda, calçadas com acessibilidade, piso tátil, ciclofaixas, iluminação pública, sinalização viária, implantação de canteiro central e nova urbanização ao longo de seus 9 KMs. Esta obra é mais uma etapa do Projeto Ação Metrópole, implantado nos anos 2000 que tem como objetivo melhorar a mobilidade urbana na Região Metropolitana. O contrato da obra, financiada com recursos do Banco do Brasil, foi assinado em 2013 e está orçado em R$ 62 milhões.

Projeção de como ficará a Rua da Yamada próximo a Rodovia Arthur BernardesEntre as metas que devem ser atingidas com as obras, estão: propiciar uma alternativa de circulação entre Icoaraci e o centro de Belém, impactando de forma positiva bairros como Tapanã, Parque Verde e Bengui; além de consolidar, assim como a Avenida Mário Covas, o anel viário de ligação entre a rodovia BR-316 e a orla da Arthur Bernardes, que é um importante polo de atração de cargas pesadas, onde transitam cerca de 1,3 mil carretas por dia.

Desafios - De acordo com o engenheiro Eduardo Ribeiro, diretor-geral do NGTM, os grandes desafios para o cumprimento do cronograma são as interferências provocadas pelo posteamento e por posicionamento de imóveis que estão posicionados na faixa de domínio da obra. No primeiro caso, está sendo definido junto à Celpa e as empresas de telecomunicação a agilidade dos serviços de reposicionamento de cerca de 240 postes. Já em relação aos imóveis, precisarão ser retirados 140, entre residências e estabelecimentos comerciais, a maioria situada na Rua Yamada.

“O Governo teve de remeter novo decreto para permitir as desapropriações para esse projeto, já que o anterior encerrou em novembro de 2018. O NGTM também irá firmar um termo de cooperação com a Companhia de Habitação do Pará (Cohab) para a aprovação das ações de remanejamento”, explica Ribeiro.

Alterações no projeto – Duas alterações foram acrescentadas no projeto inicial: a iluminação pública ao longo dos 9 km da via e algumas melhorias de urbanização. Estão sendo realizadas intervenções nas vias que receberam o lançamento de drenagem. O trabalho não estava previsto no projeto inicial, mas a atual gestão do NGTM entendeu a importância da mudança e decidiu executar o serviço com serviços de pavimentação, calçada e drenagem superficial, levando assim, benefícios aos moradores que tiveram suas ruas danificadas pelos serviços.

Obras de drenagem são realizadas ao longo do projetoEntre as ruas, está a Gerard Sampaio e Tucano, situadas na área do Tapanã. “Aqui era só piçarra. E, com essa obra, já melhorou bastante. Já posso ir e vir tranquilamente. Acho que ainda vai melhorar a vida de quem mora no bairro”, comenta o ajudante de obras Luís da Silva Costa, 50 anos, morador da Rua Gerard Sampaio.

Wesley Lameira, empregado da obraOutro benefício é a geração de empregos. Atualmente, 350 vagas de emprego foram abertas e ocupadas, principalmente com moradores da área. O operador de máquinas, Wesley Lameira, 34 anos foi um dos beneficiados. “Antes de vir para cá, estava desempregado há cinco meses. Fiquei muito feliz em ser contratado, pois tenho família para sustentar e esse emprego veio na hora certa”, disse.

Durante os trabalhos, quem precisar trafegar pela via, terá dificuldades em alguns trechos devido ao avanço das obras, mas o diretor-geral do NGTM esclarece que são necessárias para a execução e finalização dos trabalhos. “Qualquer obra em via urbana, principalmente onde está muito deteriorada, cria transtornos. O cronograma que temos é que até março de 2020, quando concluiremos a rodovia do Tapanã e, em julho do ano que vema Rua Yamada”, finalizou o engenheiro Eduardo Ribeiro.