Covid-19: Estado já transferiu 403 pacientes na região Oeste

Feitas exclusivamente pela Central de Regulação do Estado, as remoções mobilizam as equipes de transportes aéreo e fluvial

11/04/2021 09h24 - Atualizada em 11/04/2021 10h47

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) já transferiu 403 pacientes com Covid-19 entre os dias 18 de janeiro e 10 de abril, para conter o avanço da doença nos municípios da região Oeste do Pará, a mais afetada durante a segunda onda da pandemia. Desse total de remoções, 389 ocorreram por via aérea e 14 por via fluvial. Todas as transferências são realizadas exclusivamente pela Central de Regulação da Sespa.

As remoções partiram de municípios do extremo Oeste, como Faro, Terra Santa, Oriximiná e Aveiro para o Hospital 9 de Abril na Providência de Deus, em Juruti, e para os hospitais públicos regionais do Baixo Amazonas, em Santarém, e do Tapajós, em Itaituba. Além das transferências, o Estado providenciou insumos, como 542 cilindros de oxigênio e 287.751 equipamentos de proteção individual (EPIs).As transferências de pacientes são garantidas pelo Estado na busca por salvar vidas

De forma simultânea às remoções, a Sespa mantém a articulação constante com as secretarias municipais de Saúde, orientando e auxiliando sobre como continuar agindo para conter a segunda onda de infecção pelo novo coronavírus. As medidas tomadas e as transferências realizadas pelo governo estadual são estratégias para evitar um colapso no sistema de saúde dos municípios mais próximos ao estado do Amazonas.

“O governo do Estado, por meio da Sespa, continua fazendo o monitoramento diário da região, levando suporte aos municípios e atendendo à necessidade de insumos e de remoções, até que a situação se estabilize”, informa o secretário estadual de Saúde Pública, Rômulo Rodovalho, reforçando que vem sendo garantida rápida assistência a pacientes mais graves, que são removidos de acordo com as possibilidades climáticas da região.

No Oeste, destacam-se os atendimentos realizados pelo Barco Hospital Papa Francisco, que no dia 17 de março encerrou mais uma etapa em quatro municípios da região - Almeirim, Prainha, Monte Alegre e Alenquer. O trabalho contabilizou 766 consultas médicas, 1.173 exames laboratoriais e 327 exames de imagens. Durante oito dias, o total de procedimentos chegou a 23.157, incluindo ainda teste rápido, oferta de medicação, verificação de sinais vitais e atendimento em enfermagem.

Também no formato itinerante, a Policlínica está atendendo municípios da região. No roteiro que começou por Altamira, ainda na região do Xingu, já esteve em Placas, Rurópolis, Trairão e Itaituba, e prossegue atendendo em Uruará, com dois dias de atendimento em cada um, oferecendo 200 senhas diárias para consultas médicas.

Hospital de Campanha – Outro suporte decisivo na região é o Hospital de Campanha de Santarém (HCS), que o governo reabriu no dia 18 de fevereiro. A unidade, montada na Escola Estadual Maria Uchoa Martins, localizada no bairro Floresta, a 800 metros do Hospital Regional do Baixo Amazonas, tem 60 leitos clínicos, sete enfermarias - cada uma com sete leitos; uma enfermaria com 16 leitos; uma sala de estabilização, com quatro leitos; posto de enfermagem; farmácia; almoxarifado; espaço para médico e profissionais de enfermagem; uma sala do Núcleo Interno de Regulação; necrotério; sala de paramentação; refeitório; cozinha; administrativo; vestiários femininos e masculinos; sala descanso da equipe; faturamento; departamento pessoal; expurgo; psicossocial e resíduos.

A medida, está desafogando a procura por leitos clínicos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e no Hospital Regional do Baixo Amazonas, vem contribuindo para estabilizar o sistema de saúde da região. Mais de 200 pacientes já venceram a doença em um mês e meio de funcionamento da estrutura hospitalar exclusiva para tratamento da Covid-19.

Por Melina Marcelino (SESPA)